«

»

May 06 2003

Ataulfo Alves: Discografia Básica

Ataulfo AlvesAtaulfo Alves de Sousa

Miraí, MG (02-05-1909) – Rio de Janeiro, RJ (20-04-1969)

 

 

Ataulfo Alves

 

 

Minas Gerais, o coração do Brasil. Um coração de ouro num peito de ferro, diz, orgulhoso, o mineiro, que trabalha em silêncio. Quem te conhece não esquece jamais. Seu ouro é do mais puro quilate. Para ficar só na música, Milton Nascimento, cidadão do mundo nascido nas Gerais, e seus companheiros. Pra ficar só no samba, enquanto Ary Barroso chorava suas mágoas “num copo de Ubá” e enaltecia a Bahia, Ataulfo (Miraí, MG, 02/05/1909 ­ Rio de Janeiro, RJ, 20/04/1969) cantava a pequena Miraí. Nasceu em uma fazenda e fazia versos, aos 8 anos de idade, para acompanhar os improvisos do pai, sanfoneiro e repentista.

Antes de se dedicar à música, fez um pouco de tudo. Acompanhando um médico, mudou-se para o Rio e para ele trabalhava dia e noite. Cansado, abandonou o médico e foi lavar vidros em uma farmácia. Tornou-se prático de farmácia e à noite, no Rio Comprido, onde morava, acompanhava as rodas de samba. Aos 19 anos tocava violão, cavaquinho e bandolim. Aos 19 anos, ainda, se casou com Judite. Organizou um conjunto e animava as festas do bairro. Aos 20 anos (1929) começou a compor e se tornou diretor de harmonia de um bloco organizado pelos moradores do bairro, o Fale Quem Quiser.

“O mais elegante”, diziam de Ataulfo. Gentil e refinado. Conta o compositor: “Quando fui apontado como um dos dez mais elegantes pelo Ibrahim (Ibrahim Sued, colunista social), eu aparecia na fotografias com um terno de dez anos atrás. É que, naquela época, eu não podia pagar um bom alfaiate. Mas depois de eleito, surgiram grandes alfaiates que, interessados em ganhar publicidade, ofereciam-se para me fazer roupas de graça…”

Sexta-Feira foi sua primeira composição a ser gravada. Era o ano de 1933. Bide, que fazia sucesso com Agora é Cinza (c/ Marçal), ouviu algumas músicas de Ataulfo e apresentou-o a Mr. Evans, diretor americano da Victor. E Almirante gravou Sexta-Feira.

Conta Ataulfo: “OK, OK. Mr Evans me olhava e só dizia OK, OK. Eu não entendia bem. Mas o americano lá pelas tantas disse: ‘Vou telefonar pra cantora, para ouvir as suas músicas’. Veio a Carmen Miranda. Ela ouvia, ouvia e me olhava, até que disse: – Você não é aquele rapaz lá da farmácia? ­ Perfeitamente. ­ Mas você não era compositor! ­ Mas você não era cantora!” E os dois deram boas gargalhadas.

Em 1935, por intermédio de Almirante e Bide, Floriano Belham gravou seu primeiro sucesso, Saudade do meu Barracão. Menina que Pinta o Sete (c/ Roberto Martins) foi gravada pelo Bando da Lua, ainda no ano de 1935.

Sílvio Caldas (Saudade dela, 1936, e a valsa A Você, feita em parceria com Aldo Cabral) e Carlos Galhardo (Quanta Tristeza, feito com André Filho, 1937) foram os responsáveis por seus maiores sucessos. Galhardo viria a ser um de seus mais fiéis intérpretes.

Foi parceiro de Bide, Claudionor Cruz, João Bastos Filho e Wilson Batista (com este último venceu os carnavais de 1940 e 1941, com Oh!, Seu Oscar e O Bonde de São Januário e, ainda Eu Não Sou Daqui, Papai Não Vai, Terra Boa).

Orlando Silva foi outro grande intérprete de Ataulfo. Errei, Erramos, foi por ele gravado em l938.

Como intérprete, as primeiras gravações de Ataulfo foram Leva Meu Samba… e Alegria na Casa de Pobre (com Abel Neto).

Em 1942, as dificuldades financeiras e o desinteresse dos intérpretes em gravar suas músicas, fizeram com que ele gravasse, para o Carnaval Ai, que Saudades da Amélia (c/ Mário Lago). A música foi feita a partir de 3 quadras que Mário Lago lhe dera. Ataulfo fez algumas alterações na letra original para adaptá-la. Mário Lago não gostou. A gravação contou com o acompanhamento do grupo Academia do Samba, um grupo organizado pelo compositor e com a abertura de Jacob do Bandolim. Foi um enorme sucesso. Três meses depois, Ataulfo voltaria a Odeon para nova gravação, agora com orquestra.

Com Mário Lago comporia ainda Atire a Primeira Pedra (Carnaval de 1944) e Capacho e Pra que Mais Felicidade (1945).

Criou o grupo Ataulfo Alves e suas Pastoras quando se definiu por interpretar ele mesmo suas canções. O nome foi sugestão de Pedro Caetano. Com Olga, Marilu e Alda, a primeira formação do grupo, lançou os sucessos Inimigo do Samba (c/ Jorge de Castro, 1943), Todo Mundo Enlouqueceu (c/Jorge de Castro), Boêmio Sofre Mais (c/ Floriano Belham, 1945) , Vá Baixar Noutro Terreiro (c/Raul Marques, 1945) e Infidelidade (c/ Américo Seixas, 1947).

Fim de Comédia e Errei, Sim, foram gravadas na década de 1950 por Dalva de Oliveira, relatando o fim de seu casamento com Herivelto Martins.

Em um show realizado na boate Casablanca, em 1954, lançou o samba Pois É. Inspirado na música, Pancetti pintou um quadro e o ofereceu ao compositor. Em contrapartida, Ataulfo compôs, com J. Batista, a música Lagoa Serena, em homenagem a Pancetti. Este fez outro quadro dedicado ao compositor, com o mesmo nome, Lagoa Serena. A música Pois É só foi gravada em 1955, pela Sinter, por problemas de contrato com a Victor

Na Sinter, foi gravado o LP Ataulfo Alves e suas Pastoras (1956). No ano seguinte ele compôs Vai, Mas Vai Mesmo, grande sucesso do Carnaval de 1958.

Meus tempos de Criança, composto ainda em 1957, no qual relembra sua infância e as pessoas que o influenciaram (Que saudades da professorinha/ Que me ensinou o bê-a-bá …) mostra o lado nostálgico do compositor. Floripes Argenta de Souza era a professorinha. Uma bela e lírica canção.

Em 1961 foi para a Europa, convidado por Humberto Teixeira, integrando uma caravana de divulgação da música popular brasileira. Interpretou Mulata Assanhada e na Cadência do Samba. Um fato interessante ocorrido na excursão, narrado por Ataulfo: “Numa boate em Estocolmo entrei em cena sozinho, como estava ensaiado. Antes que começasse a falar, algumas vozes começaram a cantar: ‘Nunca vi fazer tanta exigência…’ Senti um nó na garganta, sem saber o que fazer. Aí lembrei-me de Chico Alves, que me dizia que nessas horas era bom se contrair todo e fazer figa. Assim que pude peguei o violão e comecei a cantar Amélia, com todos me acompanhando. Quando saí do palco, chorei de emoção”

Ainda em 1961 fundou a ATA (Ataulfo Alves Edições) e editava suas próprias músicas. Data dessa época o fim de Ataulfo Alves e suas Pastoras, então já integradas por Nadir, Antonina, Geralda e Geraldina.

Fez uma temporada no Top Club, no Rio de Janeiro, em 1964. Sentiu agravar-se uma úlcera no duodeno, mas voltou ao exterior em 1966 como representante do Brasil no I Festival de Arte Negra, em Dacar, Senegal.

O surgimento da bossa-nova e do iê-iê-iê nacional foram assimilados por Ataulfo. De outro lado, os jovens gostavam de suas músicas.

Assim, em 1967, veio um novo sucesso com Laranja Madura. Roberto Carlos gravou Ai, que Saudades da Amélia. E Ataulfo fez parceria com Carlos Imperial

Você passa e eu Acho Graça, Você Não é Como as Flores e sua última música, Mandinga, foram feitas com Carlos Imperial, que concluiu Mandinga, já que uma intervenção cirúrgica, em decorrência de sua úlcera, o impediu de terminar. Foi-se o grande sambista carioca, nascido em Minas. Clara Nunes, também carioca, nascida em Minas, gravou Mandinga e Você passa e eu Acho Graça, pela Odeon.

Os filhos de Ataulfo, Adeilton, o mais velho, e Ataulfo Alves Junior, o mais novo, disputaram a herança artística deixada pelo pai. Adeilton lembrava uma frase sempre repetida pelo pai: “Os filhos são como música: os mais velhos, mais estimados, os mais novos, mais mimados”. E acompanhava o pai com passista-ritmista. Mas o lenço branco com o qual regia seu conjunto foi entregue simbolicamente pelo compositor a Ataulfo Júnior para que ele defendesse “o que é nosso, de geração em geração” . Era uma competição sadia, como diria Adeilton., o primeiro a alcançar sucesso com Esperanças Perdidas, lançada em um compacto,

O Filho do Mestre. Vendeu mais de 100.000 cópias, interpretada pelos Originais do Samba. Uma das músicas, Herança, afirma: “Vi em sonho o seu ‘aceito’/ Vi em sonho que é direito/ Ocupar o seu lugar”. Mais tarde Ataulfo Junior lançaria um LP cujo nome era uma sugestiva resposta: O Herdeiro Sou Eu. Na verdade, somos todos nós os privilegiados herdeiros da música de Ataulfo Alves.


Para conhecer melhor Ataulfo Alves -­ Discografia:

  • LP – MONUMENTO DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA – MEIO SÉCULO DE CARNAVAL CARIOCA – 1915/1965, Com Vários Intérpretes – EMI-ODEON

Faixa: VAI, MAS VAI MESMO (Ataulfo Alves)

  • LP – MONUMENTO DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA – MEIO SÉCULO DE CARNAVAL CARIOCA – 1915/1965 – VOL. 3 – 1939/1951, Com Vários Intérpretes – EMI-ODEON

    Faixas: LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves) / ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Ataulfo Alves-Mário Lago)

  • LP – O SUCESSO É SAMBA, Com Walter Wanderley e Seu Conjunto ­ ODEON ­ 1961

Faixa: MULATA ASSANHADA (Ataulfo Alves)

  • LP – O MÁXIMO EM SAMBA, Com Elza Soares ­ ODEON ­ 1967

    Faixas: ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Ataulfo Alves-Mário Lago) / LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves)

  • LP – ELZA, MILTINHO E SAMBA, Com Elza Soares e Miltinho ­ ODEON ­ 1967 (disponível em CD)

    Faixa: CALADO VENCI (Ataulfo Alves – Herivelto Martins)

  • LP – OS CARNAVAIS ANTIGOS DE FRANCISCO ALVES, Com Francisco Alves ­ ODEON ­ 1967

    Faixa: FOI VOCÊ (Ataulfo Alves – Roberto Martins)

  • LP – ALEGRIA ALEGRIA VOL. 3 OU CADA UM TEM O DISCO QUE MERECE, Com Wilson Simonal ­ ODEON ­ 1969

    Faixa: ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Ataulfo Alves-Mário Lago)

  • LP – ATAULPHO POR HELENA DE LIMA E ADEÍLTON ALVES, Com Helena De Lima e Adeílton Alves – MUSEU DA IMAGEM E DO SOM ­ MIS ­ 1969

    Faixas: LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves) – TALENTO NÃO TEM IDADE (Ataulfo Alves) – POIS É (Ataulfo Alves) – QUANTA TRISTEZA (Ataulfo Alves-André Filho) – TEMPO PERDIDO (Ataulfo Alves) / MANTENDO A TRADIÇÃO (Ataulfo Alves) – AI, QUE SAUDADES DA AMÉLIA (Ataulfo Alves-Mário Lago) – MULATA ASSANHADA (Ataulfo Alves) / SE A SAUDADE ME APERTAR (Ataulfo Alves-Jorge de Castro) – VAI, MAS VAI MESMO (Ataulfo Alves) – INFIDELIDADE (Ataulfo Alves-Américo Seixas) – ERREI, SIM (Ataulfo Alves) – ERREI, ERRAMOS (Ataulfo Alves) – VAI NA PAZ DE DEUS (Ataulfo Alves-Antônio Domingues) – SEI QUE É COVARDIA (Ataulfo Alves-Claudionor Cruz) – ENTRE NÓS TUDO ACABADO (Ataulfo Alves) – ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Ataulfo Alves-Mário Lago) / MEUS TEMPOS DE CRIANÇA (Ataulfo Alves) – VOCÊ PASSA, EU ACHO GRAÇA (Ataulfo Alves-Carlos Imperial) – BOM CRIOULO (Ataulfo Alves) – PAGO PRA VER (Ataulfo Alves) – DEIXA O TORÓ DESABAR (Ataulfo Alves) – NA CADÊNCIA DO SAMBA (Ataulfo Alves-Paulo Gesta) / SAUDADE DELA (Ataulfo Alves) – VIDA DE MINHA VIDA (Ataulfo Alves) – ATÉ BREVE (Ataulfo Alves-Cristóvão de Alencar) / FÊNIX (Ataulfo Alves-Aldo Cabral) – LARANJA MADURA (Ataulfo Alves) – ME QUEIRA AGORA (Ataulfo Alves) – NA GINGA DO SAMBA (Ataulfo Alves)

  • LP – EU, ATAULFO ALVES, Com Ataulfo Alves ­ MUSEU DA IMAGEM E DO SOM / PHONOGRAM ­ 1969

    Faixas: TEMPO PERDIDO (Ataulfo Alves) / SAUDADE DO MEU BARRACÃO (Ataulfo Alves) / SAUDADE DELA (Ataulfo Alves) / SEI QUE É COVARDIA (Ataulfo Alves – Claudionor Cruz) / BOÊMIO (Ataulfo Alves – W. Falcão) / ERREI… ERRAMOS (Ataulfo Alves) / BONDE DE SÃO JANUÁRIO (Ataulfo Alves – Wilson Batista) / LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves) / AI QUE SAUDADES DA AMÉLIA (Ataulfo Alves – Mário Lago) / INFIDELIDADE (Ataulfo Alves – Américo Seixas) / MULATA ASSANHADA (Ataulfo Alves) / POIS É… (Ataulfo Alves) / VAI NA PAZ DE DEUS (Ataulfo Alves – Antônio Domingues) / VOCÊ NÃO QUER, NEM EU (Ataulfo Alves) / LAGOA SERENA (Ataulfo Alves – José Batista) / NEM QUE CHOVA CANIVETE (Ataulfo Alves) / MEU PRANTO NINGUÉM VÊ (Ataulfo Alves – José Gonçalves) / LARANJA MADURA (Ataulfo Alves) / NA CADÊNCIA DO SAMBA (Ataulfo Alves – Paulo Gesta)

  • LP – MUDANDO DE CONVERSA, DE HERMÍNIO BELLO DE CARVALHO, Com Cyro Monteiro, Nora Ney, Clementina de Jesus e Conjunto Rosa de Ouro ­ ODEON ­ 1972

    Faixas: SE A SAUDADE ME APERTAR (Ataulfo Alves-Jorge de Castro) / SAUDADE DELA (Ataulfo Alves) / LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves)

  • LP – ESTÃO VOLTANDO OS BONS TEMPOS, Com Pedrinho Rodrigues e Os Nacionais ­ EQUIPE ­ 1973

    Faixa: SEI QUE É COVARDIA (Ataulfo Alves-Claudionor Cruz)

  • LP – OS MELHORES SAMBAS DE TODOS OS TEMPOS, Com Os Novos Batutas – MARCUS PEREIRA ­ 1974

    Faixa: AI QUE SAUDADES DA AMÉLIA (Ataulfo Alves – Mário Lago)

  • LP – VAMOS PRO MUNDO, Com Os Novos Baianos – SOM LIVRE ­ 1974

    Faixa: NA CADÊNCIA DO SAMBA (Ataulfo Alves-Paulo Gesta)

  • LP – 100 ANOS DE MÚSICA POPULAR BRASILEIRA – VOL. 3, Com As Gatas / Zezé Gonzaga / Gilberto Milfont / Cauby Peixoto / Marlene ­ TAPECAR ­ 1975

    Faixas: LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves) / ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Ataulfo Alves-Mário Lago) / AI! QUE SAUDADE DA AMÉLIA (Ataulfo Alves-Mário Lago) / OH! SEU OSCAR (Ataulfo Alves-Wilson Batista) / O BONDE DE SÃO JANUÁRIO (Ataulfo Alves-Wilson Batista)

  • LP – HISTÓRIA DOS SAMBAS ENREDO – 1932-1975, Com Os Caretas ­ PHONOGRAM ­ 1975

    Faixa: BRASIL (Alvaiade – Nilson Gonçalves – Ataulfo Alves)

  • LP – WILSON BATISTA, Com Joyce e Roberto Silva ­ FUNARTE ­ 1985 (disponível em CD Atração Fonográfica)

    Faixa: OH! SEU OSCAR (Wilson Batista-Ataulfo Alves)

  • LP – VELHOS SAMBAS … VELHOS BAMBAS, Com Vários Intérpretes ­ FENAB – 1985

    Faixa: OH! SEU OSCAR (Wilson Batista-Ataulfo Alves)

  • LP ­ DEZEMBROS, Com MARIA BETHÂNIA – RCA-VICTOR ­ 1986 (disponível em CD)

    Faixa: ERREI SIM (Ataulfo Alves)

  • LP – VELHOS SAMBAS … VELHOS BAMBAS – VOL. 2 ­ FENAB ­ 1989, Com Ademilde Fonseca, Zezé Gonzaga, Violeta Cavalcante, Gilberto Milfont, Roberto Paiva, Roberto Silva, Adeílton Alves e Luiz Cláudio (relançado em CD)

    Faixas: BOÊMIO (Ataulfo Alves – J. Pereira – O. Portella) / MEU PRANTO NINGUÉM VÊ (Ataulfo Alves – José Gonçalves) / ERREI… ERRAMOS (Ataulfo Alves) / SEI QUE É COVARDIA… MAS (Ataulfo Alves – Claudionor Cruz) / ATIRE A PRIMEIRA PEDRA (Ataulfo Alves – Mário Lago) / AI! QUE SAUDADES DA AMÉLIA (Ataulfo Alves – Mário Lago) / LÍRIOS DO CAMPO (Ataulfo Alves – Peterpan) / PAVIO DA VERDADE (Ataulfo Alves – Américo Seixas) / NOUTROS TEMPOS… ERA EU (Ataulfo Alves) / VIDA DA MINHA VIDA (Ataulfo Alves) / MEUS TEMPOS DE CRIANÇA (Ataulfo Alves) / LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves) / TEUS OLHOS (Ataulfo Alves – Roberto Martins)

  • CD ­ ATAULFO ALVES, Com Vários Intérpretes ­ SOM LIVRE ­ 1994 (em catálogo)

    Faixas: LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves) / O BONDE DE SÃO JANUÁRIO (Ataulfo Alves ­ Wilson Batista) / AI! QUE SAUDADES DA AMÉLIA (Ataulfo Alves ­ Mário Lago) / NÃO IREI LHE BUSCAR (Ataulfo Alves) / ERREI SIM (Ataulfo Alves) / MULATA ASSANHADA (Ataulfo Alves) / POIS É (Ataulfo Alves) / ERREI… ERRAMOS (Ataulfo Alves) / INFIDELIDADE (Ataulfo Alves ­ Américo Seixas) / VESTIU SAIA TÁ PRA MIM (Ataulfo Alves ­ J. Batista) / DESAFORO EU NÃO CARREGO (Ataulfo Alves) / NA CADÊNCIA DO SAMBA (Ataulfo Alves ­ Paulo Gesta)